Pagina inicial

sábado, 30 de outubro de 2010

Auto-retrato

























Tudo q me move, que me motiva e muito incomum...
Pelo menos para as outras pessoas.


Sou o oposto e ao mesmo tempo não sou...
Não sou nada, não sou ninguém.

Hoje posso querer e amanha, não querer mais.
Sou como o vento... Sempre estou aqui, mais ninguém me vê.

Calo-me na esperança de não ferir, mas, sempre sendo ferida.
Sentindo o que não a de sentir, vivendo momentos futuros no presente...

Encontre-me no doce e no amargo, no frio e no quente, no velho e no novo e em lugar algum.
                                                                          Paula Ribeiro 

Sem comentários:

Enviar um comentário

Ocorreu um erro neste dispositivo